sábado, 29 de abril de 2017

VIRGÍNIA



Ana Rocha: Quem é a Virgínia? Pessoa ou marca?
Virgínia: Não é (só) uma marca. Lembro-me de ficar fascinada com os carrinhos de sobremesas dos restaurantes dos anos sessenta, quando tinha que decidir o que queria pedir. A escolha era difícil!, mas no final ganhava sempre o bolo de chocolate… (Risos). Lembro-me também de que gostava de fazer bolos, e de cozinhar em geral. Que ritual mágico! Eu via programas de culinária com um interesse velado e retirava as receitas de onde podia mas acabaria, mais tarde, por enveredar pelo mundo da moda. A culinária e a pastelaria ficaram ligadas à casa e à família até ao dia em que decidi fazer uma troca. A minha bagagem como designer de moda – durante 15 anos – ajudou-me a criar uma estética própria. Ajudou-me, também, a gerir a pesquisa necessária para fazer as minhas próprias criações.



A.R.: Como caracteriza a transição do estilismo para a pastelaria?
V.: Transição lenta até decidir que é altura de mudar. Eu tinha economias – tinha dinheiro para viver um ano ou dois sem me preocupar com o salário – e, um dia, fechei-me em casa a fazer bolos para um catálogo. Comecei a oferecer caixinhas com amostras e conquistei logo alguns clientes, para além dos meus sobrinhos e dos filhos das minhas amigas, sempre bafejados com experiências. A coisa começa a ir de boca em boca e faço uma carteira de clientes em dois ou três anos. Lentamente, começo a deixar uma coisa e a fazer outra. É nesta altura que abro a Virgínia, aqui; quando a coisa toma uma proporção séria. 
A.R.: O que define a estética própria e as criações? 
V: O meu marketing é a minha qualidade. Não gosto de trabalhar virtualmente: gosto de ter um objectivo, um propósito. A relação directa que estabeleço com os clientes é a minha (outra) fonte de inspiração. Gosto de conhecer para quem estou a trabalhar. Os meus trabalhos nascem das ideias que fluem entre mim e os clientes. E trabalho hoje com a mesma dedicação de há dez anos atrás, quando estava a começar.



A.R.: Formação em pastelaria, tem?
V.: Não tenho. O que sei aprendi (maioritariamente) em livros. Há, ainda, muito por descobrir. Eu costumo dizer que se não estivesse ocupada a fazer bolos ia aprender a fazer bolos.
A.R.: Aconselharia alguém a investir em negócio próprio?
V.: Aos que procuram por liberdade... Sim! É uma liberdade relativa, mas aconselharia, em qualquer área. As coisas não precisam de ser muito difíceis para terem valor. Lembro é que trabalho é trabalho e, se assim não fosse, chamar-lhe-íamos não trabalho mas outra coisa qualquer.
A.R.: É pessoa profissionalmente realizada?
V.: Sim: consegui mais do que alguma vez imaginei. O segredo talvez esteja em começar todos os dias como se fosse o primeiro.
A.R.: Que mensagem para os leitores?
V.: Tomem a decisão de escolher os vossos sonhos e de acreditar. É (sempre) preciso acreditar. Também é preciso ter um foco, um objetivo específico, e a capacidade de encarar a realidade do possível – do que está ao nosso alcance – conhecendo aquilo de que somos capazes. É preciso fazer uma fusão entre o sonho e a realidade. E a realidade está aqui: há sempre algo que conseguimos fazer bem.


Rua de Ceuta, 73
4051-191, Porto
917831744
(Informações e marcações por telemóvel)


Sem comentários:

Publicar um comentário