quinta-feira, 4 de maio de 2017

MARTA VILARINHO DE FREITAS




À Marta Vilarinho de Freitas, arquitecta licenciada no coração da cidade invicta, fiquei a conhecer primeiro as mãos. Corrijo-me – que tolice! –, quero dizer: pelo projecto “As cidades e a memória – a Arquitectura e a Cidade”, a Marta despertou a minha atenção. Mestre em Arquitectura pela Escola Superior Artística do Porto – desde 2009 – a cidade é o tema recorrente. O Porto, quem lhe merece maior destaque. Falei com ela porque queria uma entrevista. A Marta desafiou-me a escrever sobre as suas cidades. 
Aqui está:






Italo Calvino, autor d’As Cidades Invisíveis, é nome incontornável. Despido da rigidez a que a arquitectura nos obriga – como se o urbanismo de um “esquema geométrico implícito nos mínimos detalhes”, perfeito, se tratasse –, Calvino romantiza (polemiza?) a relação do Homem com a Cidade. Para o escritor italiano, “o olhar percorre as ruas como se fossem páginas escritas: a cidade diz tudo o que se deve pensar”.
Marta Vilarinho de Freitas concorda. Em “As cidades e a memória – a Arquitectura e a Cidade”, a arquitecta desenha uma memória que é sua, sobre cidades de muitos, numa ode a essa obra que é de um outro indivíduo, singular.
Dizer que a memória é coisa incerta. Se Marta Vilarinho de Freitas desenha o Porto, outras cidades, ou o Porto n’outras cidades não se sabe. Parafraseio Italo Calvino. Talvez Marta Vilarinho de Freitas só tenha falado do Porto; talvez Marta Vilarinho de Freitas só tenha falado sobre outras cidades.
De traço perfeito e em preto sobre branco, a cor guarda os detalhes, segredos e estórias que, vividas, só assim – mão e coração – a Marta nos sabe contar.



SOBRE A AUTORA


Marta Vilarinho de Freitas é arquitecta – e foi a sua paixão pelo desenho de arquitectura que a motivou a desenvolver o projecto “As cidades e a memória – a Arquitectura e a Cidade”, um conjunto de intrincadas ilustrações de cidades que focalizam o universo da arquitectura e o seu mundo criativo e fascinante.
O tema da Cidade, recorrente nos seus desenhos, está directamente relacionado com o mundo da arquitectura, da história, dos edifícios, das fachadas, das ruas e das pessoas. São tecidos urbanos marcantes e surpreendentes, onde se cruzam histórias e se celebra a vida.
Licenciada bem no coração da invicta, sempre o Porto mereceu destaque especial nos seus desenhos; a beleza da cidade, a sua arquitectura ímpar e a sua história, concentram no seu projecto o rendilhado de casario, a complexidade de ruas e vielas e entrosadas varandas e varandins.
Nos seus desenhos, há uma forte relação com a arquitectura, há a vontade de conhecer o espírito do lugar, da cidade, os seus padrões, a cor, a luz, o ambiente, a profusão de fachadas e telhados, de janelas e cúpulas, fazendo de cada desenho uma obra única. 
Explora a pormenorização e o detalhe, o contraste entre a realidade e a fantasia, o passado e o presente. 
Imprime o carácter ilusório, da imaginação, aliado ao rigor arquitectónico, da construção, do mundo a preto e branco ou mergulhado em cor.
O método que utiliza – caneta sobre papel – com um traço muito fino, permite captar e representar os mais pequenos detalhes. De uma forma implícita, as “suas” cidades são humanizadas, através da caracterização minuciosa de pormenores, deixando adivinhar vidas e histórias de quem nelas habita.
Estas cidades, reais ou imaginárias, surgem sempre de uma visão pessoal, são o reflexo do percurso pela arquitectura, da absorção de imagens, de paisagens, de memórias guardadas ou instantes vividos.

 

Sem comentários:

Enviar um comentário