quinta-feira, 13 de outubro de 2016

AMARELO TORRADA: A MELHOR TORRADA DA BAIXA



Ana Rocha: Amarelo Torrada. Porquê?
Mariana Leão: A ideia inicial não era Amarelo Torrada. Não o nome, nem o conceito. Mas depois de provar oportunamente o pão e de saber as variedades que tem passou a ser impossível resistir-lhe. Passou a fazer todo o sentido tornar o pão no principal ingrediente do negócio. É um pão muito especial. Fica, se bem confeccionado, fofinho por dentro e crocante por fora. Para além disso, o facto de levar a noz e a avelã – que depois de torradas ficam com um sabor mesmo diferente –, e de se fazer acompanhar por compotas… Ajuda a melhorar a torrada. Ainda que seja muito boa só com manteiga.




A.R.: Qual era, então, a ideia inicial?
M.L.: A ideia inicial era compilar todos os doces do país – a Torta de Azeitão, a Bola de Berlim de Viana, o Travesseiro de Sintra – no Porto. E o nome seria A Nacionalista. Mas foi levado para a parte política, embora não tivesse nada que ver comigo. É que eu gosto muito de tudo o que é nosso. Mas Amarelo Torrada ficou ainda melhor. É o nome que lhe dei. E soa bem.
A.R.: Porquê Amarelo Torrada, então?
M.L.: O nome surgiu numa conversa com a minha irmã. Pensamos que o espaço era amarelo e que a torrada é amarela e que, por isso, Amarelo Torrada tinha tudo a ver. Mas o Amarelo Torrada não é só Torradas. Temos Tostas, que são feitas no mesmo pão. Temos Wraps. Temos os doces, confeccionados maioritariamente por nós – como o Bolo de Chocolate, que já faz o seu furor. Os Scones são receita lá de casa, também aprimorada, e saem normalmente duas fornadas por dia. Há horas – depois de almoço, às 15h – em que as pessoas já sabem que saem scones quentinhos, muito bons. E, depois, há toda uma variedade de chás que são fora de comum. São misturas exclusivas, e a carta foi feita propositadamente para o Amarelo Torrada, por uma especialista de misturas de chás.





A.R.: Se quiséssemos pôr um rosto no Amarelo Torrada, que rosto seria esse? Quem é o seu fundador?
M.L.: Por trás do Amarelo Torrada estou mesmo eu. Há apoio familiar, mas é um projecto meu – de Mariana Leão.
A.R.: E quem é a Mariana Leão?
M.L.: A Mariana é uma menina mulher que sempre trabalhou em Hotelaria, que tem bastante perseverança – não sou nada presunçosa! – e que está habituada a trabalhar bastantes horas, com uma capacidade de trabalho que a satisfaz. Sou mesmo apaixonada pela área. Adoro receber, adoro proporcionar momentos bons às pessoas. E já existia uma vontade grande de ter um espaço meu – um espaço em que pudesse fazer as coisas como eu achava que estavam bem e correctas, para melhor receber.





A.R.: Pode dar-me um exemplo?
M.L.: Dou dois ou três exemplos. Eu ia tomar um pequeno-almoço fora e achava que a meia-de-leite nunca correspondia. Tinha sempre que pedir duas, porque não era suficiente para acompanhar com a torrada. E a torrada ora estava torrada de mais, ora torrada de menos. Às vezes a manteiga estava toda no centro – numa quantidade ridícula – e, outras vezes, não tinha nenhuma, quando a gente pedia pouca. É a esses pormenores que eu dou muita atenção e com os quais muito dificilmente vacilo. A minha torrada é torrada na perfeição – nem muito torrada, nem pouco torrada, a não ser que o cliente assim pretenda – e a meia-de-leite é grande, porque se o cliente quiser menos bebe só metade, mas se efectivamente quiser beber bastante… Para mim, tem que ver com a sensibilidade e com o gosto em dar prazer, com o estar lá para servir os outros quando estão a relaxar. A Mariana é isso: uma menina mulher que trabalhou alguns anos em hotelaria e que, ao fim de alguma maturação, achava que tinha tudo para avançar… E avançou! Faz hoje, exactamente, dois anos e meio.





A.R.: Que idade tem?
M.L.: 34.
A.R.: Porquê menina mulher?
M.L.: Porque sou extremamente alegre, divertida e feliz – como as crianças aparentam ser. Não sou ingénua, mas acredito muito. As crianças são ingénuas e puras. E eu sou muito positiva, muito amiga do outro, muito… Bem disposta.
A.R.: Tenciona abrir mais Amarelo Torrada?
M.L.: Tencionar e concretizar são coisas diferentes. Qualquer negócio tem perspectivas de crescimento. Replicá-lo é sempre bom e é sempre uma vontade dos audazes e visionários. É minha vontade. Mas penso muitas vezes que o Amarelo Torrada – e não é querer ser egocêntrica ou cair em sobrevalorização – é muito Mariana. E, se abrir outro Amarelo Torrada, não vai haver outra Mariana. Eu sou uma falsa empresária. Não vejo isto como um negócio. Então não consigo posicionar-me muito bem. Idealizo. Sonho. Planeio. Mas a curto prazo, não. Abrir um novo espaço com o mesmo nome é um passo que requer boas bases. Implica uma equipa consistente o suficiente para que todo o conceito que foi pensado, sentido e criado passe também.
A.R.: Qual é o conceito do Amarelo Torrada?
M.L.: O conceito do Amarelo Torrada… Às vezes pergunto-me o que é o Amarelo Torrada. Uma cafetaria? Uma casa de chás? Um café? O Amarelo Torrada… Ainda hoje não encontrei a palavra certa para o definir. Sim, pode ser uma casinha de chás. Uma casinha, pelo seu aspecto de decoração romântica. De chás, porque é uma das bebidas com mais saída. Poderá ser chamada uma casinha de chás… Mas acho que o Amarelo Torrada é um espaço. Um espaço em que se pretende que a pessoa se sinta confortável, acolhida, bem recebida – com o receber educado, genuíno e natural. O Amarelo Torrada é uma casa. Um espaço que gosta de receber pessoas e de lhes proporcionar bons momentos, a comer… Torradas! É importante dizer que o Amarelo Torrada não é feito só de torradas. E esperamos poder trazer algumas novidades em breve.






Rua José Falcão, 29
4050-316 Porto – 223 216 775
amarelotorrada @hotmail.com

Fotografia: Eliesley Soares



 

Sem comentários:

Publicar um comentário