quarta-feira, 21 de fevereiro de 2018

BEATRIZ BARROS: mishmash

Ana Rocha: Quem é a Beatriz Barros?
Beatriz Barros: Sou Designer de Comunicação, fiz a formação académica na ESAD – Escola Superior de Artes e Design – e sou a fundadora da mishmash, uma marca que começa como uma tese de Mestrado. Lancei a mishmash com poupanças pessoais que tinha acumulado com o objectivo de comprar alguns bens para uma primeira casa e agora brinco com a minha mãe “vês, mãe, os eletrodomésticos, tenho-os na mesma”.



A.R.: O que é a mishmash?
B.B.: É uma marca de material de escritório. Começa na faculdade mas, para mim, nunca foi um projecto de escola. Nunca foi, também, o trampolim a partir do qual me imaginei a dar o salto de estudante universitária para empresária. Nunca foi esse o meu objectivo porque acredito que o sucesso resulta de uma motivação natural a partir da qual as coisas acabam por fluir. Eu entrei para o negócio sem me aperceber de que estava a entrar para o negócio.
A.R.: Quando surge essa consciência?
B.B.: Eu abri a mishmash – empresa – em Junho de 2015 e foi um ano mais tarde que surgiu essa consciência, a de que eu realmente tinha criado uma empresa e que não iria fechar tão cedo.
A.R.: Identificas-te com o termo empreendedor?
B.B.: Identifico-me mas acho que a palavra caiu em uso excessivo, pelo que diria que tenho iniciativa e gosto de executar.
A.R.: Como te defines, então?
B.B.: Sou empresária. Faço contabilidade, desenvolvo o produto, sou comercial, sou assistente de vendas, marketeer, gestora de redes sociais…
A.R.: Podemos dizer que a mishmash é personalidade, história de vida e formação?
B.B.: Sim, exactamente, acho que é isso que acontece, de um modo geral, hoje em dia. As pessoas aproveitam o que aprendem mas não precisam de ficar dentro daquelas quatro linhas para o aplicar. O Design é um campo em que isso é (muito) evidente porque o designer pode ser o que quiser: o designer, sinto, adapta-se a qualquer situação (tem que ter capacidades, claro).



A.R.: Porquê Design de Comunicação?
B.B. O meu avô abriu, nos anos 90, uma papelaria que se tornou influente no Grande Porto e eu passei os meus fins-de-tarde, depois da escola, lá, a mexer em papéis, a embrulhar, a tirar fotocópias, a desencravar as máquinas de impressão... Toda essa nostalgia – os envelopes antigos, os papéis antigos, a encadernação – entusiasmaram-me a fazer Design de Comunicação, mas eu não sou a designer de comunicação clássica, porque um designer de comunicação faz design – de verdade! – e eu faço isso mas também faço 1000 outras coisas. Estamos, aliás, a ponderar lançar novas gamas de produto que entram no campo do Design do Produto, como estojos e armários de pequena e média dimensão.
A.R.: Há quanto tempo está, a mishmash, no Mercado de Matosinhos e como é que aconteceu?
B.B.: Eu formei, com outros colegas, o Another Colective – que é um estúdio de design – e a mishmash cresceu ali. Eu estava no Another Colective e estava a formar a mishmash. Eventualmente tive que me decidir. É a Escola Superior de Artes e Design que gere estes espaços e eu fui convidada a ocupar um. Estamos aqui há um ano.



A.R.: A mishmash é especialista em notebooks. As agendas?
B.B.: Ainda não lançamos agendas porque envolvem muito conteúdo e eu, pessoalmente, não quero adicionar o que não acrescenta valor. Em todo o caso, estamos prestes a lançar uma timeless planner que é um híbrido entre notebook e planner – é um notebook com rodapé com possibilidade marcação temporal – para oferecer a oportunidade ao nosso cliente de utilizar um planner mishmash.
A.R.: Em que outros projectos é que estão envolvidos?
B.B.: Nós trabalhamos de várias formas: temos linha própria e temos, também, as colaborações que fazemos com empresas de forma a desenvolver projectos personalizados.




A.R.: Que relação com o Euskalduna? Como se cruzam a Gastronomia e o Design?
B.B.: O The Art of Plating é um blogue americano de gastronomia – de plating, na verdade, de empratamento – com influência quer na américa, quer nas redes sociais e a mishmash decidiu fazer um recipe notebook em conjunto – um livro de receitas – com dois eventos para promover esses notebooks em Portugal. O evento aconteceu também aconteceu em Los Angeles – com os gestores do blogue – e vai acontecer, ainda, no Canadá. Um dos nossos eventos no Porto foi no Euskalduna, o restaurante do Vasco Coelho Santos, e essa é a nossa ligação.

Sem comentários:

Publicar um comentário